Matérias mais recentes - Todas as seções

DECRETO Nº 8.772, DE 11 DE MAIO DE 2016

Brasão do Brasil

Diário Oficial da União

Publicado em: 12/05/2016 | Edição: 90 | Seção: 1 | Página: 3

Órgão: Atos do Poder Executivo

DECRETO Nº 8.772, DE 11 DE MAIO DE 2016

Regulamenta a Lei nº 13.123, de 20 de
maio de 2015, que dispõe sobre o acesso ao
patrimônio genético, sobre a proteção e o
acesso ao conhecimento tradicional associado
e sobre a repartição de benefícios para
conservação e uso sustentável da biodiversidade.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuiçõesque lhe conferem o art. 84, caput, inciso IV e inciso VI, alínea "a",da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei nº 13.123, de 20de maio de 2015,

DECRETA:

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º Este Decreto regulamenta a Lei nº 13.123, de 20 demaio de 2015, que dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético,sobre a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado esobre a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável dabiodiversidade.

§ 1º Considera-se parte do patrimônio genético existente noterritório nacional, para os efeitos deste Decreto, o microrganismoque tenha sido isolado a partir de substratos do território nacional, domar territorial, da zona econômica exclusiva ou da plataforma continental.

§ 2º O microrganismo não será considerado patrimônio genéticonacional quando o usuário, instado pela autoridade competente,comprovar:

I - que foi isolado a partir de substratos que não sejam doterritório nacional, do mar territorial, da zona econômica exclusiva ouda plataforma continental; e

II - a regularidade de sua importação.

§ 3º As espécies vegetais e animais introduzidas no País somenteserão consideradas patrimônio genético encontrado em condiçõesin situ no território nacional quando formarem populações espontâneasque tenham adquirido características distintivas próprias no País.

§ 4º Considera-se também patrimônio genético encontradoem condições in situ a variedade proveniente de espécie introduzidano território nacional com diversidade genética desenvolvida ou adaptadapor populações indígenas, comunidades tradicionais ou agricultorestradicionais, incluindo seleção natural combinada com seleçãohumana no ambiente local, que não seja substancialmente semelhantea cultivares comerciais.

Art. 2º Ficam sujeitas às exigências da Lei nº 13.123, de2015, e deste Decreto, as seguintes atividades:

I - acesso ao patrimônio genético ou ao conhecimento tradicionalassociado;

II - remessa para o exterior de amostras de patrimônio genético; e

III - exploração econômica de produto acabado ou materialreprodutivo oriundo de acesso ao patrimônio genético ou ao conhecimentotradicional associado realizado após a entrada em vigorda Lei nº 13.123, de 2015.

§ 1º Para fins do disposto no inciso II do caput, a prática dequalquer atividade de pesquisa ou desenvolvimento tecnológico quefor efetuada após 17 de novembro de 2015, será, independentementeda data do seu início, considerada como acesso realizado após aentrada em vigor da Lei nº 13.123, de 2015.

§ 2º As atividades realizadas entre 30 de junho de 2000 e 17de novembro de 2015 deverão observar o disposto no Capítulo VIIIdeste Decreto.

Art. 3º Não estão sujeitos às exigências da Lei nº 13.123, de2015, e deste Decreto, o acesso ao patrimônio genético ou ao conhecimentotradicional associado concluído antes de 30 de junho de2000 e a exploração econômica de produto acabado ou materialreprodutivo dele decorrente.

§ 1º Para os fins de que trata o caput, e quando instado pelaautoridade competente, o usuário deverá comprovar que todas asetapas do acesso se encerraram antes de 30 de junho de 2000.

§ 2º A comprovação de que trata o § 1º deverá ocorrer por meio de:

I - no caso de pesquisa:

a) publicação de artigo em periódico científico;

b) comunicação em eventos científicos;

c) depósito de pedido de patente;

d) relatório de conclusão da pesquisa junto a órgão ou entidadede fomento público; ou

e) publicação de trabalhos de conclusão de curso, dissertaçãode mestrado, teses de doutorado; e

II - no caso de desenvolvimento tecnológico:

a) depósito de pedido de patente;

b) registro de cultivar;

c) registro de produto junto a órgãos públicos; ou

d) comprovante de comercialização do produto.

§ 3º Tratando-se de exploração econômica de produto acabadoou material reprodutivo, além do disposto nos incisos I e II do§ 2º, o usuário deverá comprovar que o acesso concluído foi suficientepara a obtenção do produto acabado ou material reprodutivoobjeto da exploração econômica.

§ 4º Para efeitos do § 3º, considera-se que o acesso concluídofoi suficiente para a obtenção do produto acabado ou materialreprodutivo objeto da exploração econômica quando não houver ocorridonenhuma atividade de pesquisa ou desenvolvimento tecnológicoposterior a 30 de junho de 2000.

§ 5º O Conselho de Gestão do Patrimônio Genético poderá:

I - definir outros meios de comprovação além dos previstosnos incisos I e II do § 2º; e

II - emitir, mediante solicitação e comprovação, documento queateste o enquadramento do usuário nas situações previstas neste artigo.

CAPÍTULO II

DO CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMONIOGENÉTICO - CGEN

Este conteúdo não substitui o publicado na versão certificada.

Borda do rodapé
Logo da Imprensa